MEL DA SERRA DE MONCHIQUE - DOP

Tipo

Mel

Região

Algarve

Descrição

Mel de cor amarela escura, produzido pela abelha Apis mellifera (sp. Iberica) com nível de cristalização normal, com uma composição variada em pólen da flora da região (Alfazema, Cistus, Compositae entre 14 % e 19 % cada, Soagem entre 14 % e 18%, Urze 12% e Eucalipto, Citrus e Prunus entre 10 % e 12% cada). É particularmente rico em sais minerais.

Particularidades

É um mel de néctar, multifloral, de sabor suave devido, em grande parte, à presença de Citrus e Prunus.

História

Os Romanos deram grande implemento à apicultura, desenvolvendo-a durante a sua presença nas Caldas de Monchique. Joaquim Romero Magalhães refere-se à produção do mel, citando Henrique Fernandes Serrão, "...O maciço sianítico de Monchique ... Tudo é cercado de pomares deleitosos, em que há castanhas, nozes, peras, maçãs e outra muita fruta; tem muitas vinhas, muita criação de gado, muito mel e cera e pão." A Enciclopédia Verbo Luso - Brasileira de Cultura menciona a propósito da produção de mel nesta região: "...mas principalmente pelo cultivo de colmeias a que o sítio se apropriava e que enriqueceriam os seus possuidores, pela produção de cera e mel, numa época em que o culto atingira o máximo: a cera para os altares, o mel para os doces dos conventos." José António Gascon refere que " ...o mel e cera aqui produzidos, são de óptima qualidade, precisando porém de ser posto de parte o antiquado sistema dos "cortiços".

Saber fazer

Não é permitida a alimentação artificial das colmeias de abelhas. A cresta só é autorizada depois da floração e depois do mel operculado, usando fumigador com bagas secas de eucalipto, ervas ou folhas secas. A purificação é feita por decantação. As colmeias são lavadas e desinfectadas apenas na altura da sua substituição. As instalações de extracção e acondicionamento têm que estar localizadas no interior da área geográfica de produção. A recolha do mel decorre desde fins de Maio até meados de Julho, ficando em repouso até Setembro/Outubro, sendo depois centrifugado e embalado em boiões de vidro.

Área geográfica de produção



Freguesias

ALFERCEALJEZURBENSAFRIMBORDEIRAMARMELETEMEXILHOEIRA GRANDEMONCHIQUEODECEIXEPORTIMÃOS BARTOLOMEU DE MESSINESSILVESSÃO MARCOS DA SERRA

Forma de utilização / Conselhos de uso

Consumido tal qual, na doçaria tradicional ou em licores.

Apresentação Comercial

Pode-se apresentar sob a forma de mel centrifugado ou mel em favos, desde que totalmente operculados; - ROTULAGEM: sem prejuízo do disposto na legislação aplicável sobre rotulagem, dela devem constar, ainda, as menções «Mel da Serra de Monchique - Denominação de Origem Protegida», o respectivo logótipo comunitário, e a marca de certificação aposta pelo respectivo organismo privado de controlo e certificação (OPC).

Condições de conservação / Durabilidade

Conservar em local seco, à temperatura ambiente.

Disponibilidade ao longo do ano

Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez

Bibliografia/Fonte

Texto e fotos extraídos de: - "Produtos Tradicionais Portugueses”, Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural, Direcção-Geral de Desenvolvimento Rural, Lisboa 2001 - Coordenadora Geral – Ana Soeiro;

Produto

MEL DOS AÇORES - DOP

Mel de néctar centrifugado obtido principalmente a partir dos néctares de incenso (mel de Incenso) e multiflora. - Mel de Incenso: mel de cor variável, indo de quase incolor a levemente amarelado, com odor delicado, perfumado, com sabor típico a incenso e com consistência fluida, resultante do néctar recolhido das flores da espécie Pittosporum Ondulattum, Hort, que é uma planta espontânea e existente em todas as ilhas dos Açores; - Mel Multifloral: mel de cor castanha escura, com sabor agradável e consistência fluida, obtido da mistura de néctares de várias espécies de plantas, deignadamente de fruteiras tradicionais (Pomoideas, Prunoideas, Castanheiro e Citrinos), fruteiras subtropicais (Bananeira, Abacateiro, Goiabeira, Araçaleiro, Physalis e Maracujaleiro) e outras espécies (Metrozidero, Camélia, Jarro, Conteira, Hortência, Azália, Eucalipto, Malvão, Alecrim, Erva azeda, Fava, etc.).

Produto

MEL DE BARROSO

Mel produzido pela abelha negra Apis mellifera mellifera (sp. Iberica) - considerada por alguns investigadores como sub raça da Apis mellifera iberica - na região montanhosa do Barroso, a partir da flora característica. Tem cor escura (> a 8 na escala de Pfund), cheiro e sabor reveladores da flora melífera regional, com forte predominância de ericáceas. Ao mel que possua um teor de pólen de ericáceas superior a 35 % poderá ser atribuída a designação de “Mel de Urze” ou “Mel de Queiró”.

Produto

MEL DA TERRA QUENTE - DOP

Mel produzido pela abelha Apis mellifera mellifera (sp. Iberica) de cor âmbar claro (< a 5 na escala de Pfung) e com elevado índice de cristalização. Produzido no Nordeste do país, com flora mediterrânica característica da região montanhosa continental, onde predomina o rosmaninho, a urze e a soagem (Lavanda stoechas, Lavandula pardarculata, Genista alba), etc. Teor de pólen de rosmaninho (Lavanda stoecha e Lavanda padarculata) > 15 %, em situação de predominância. Se tiver mais de 35 % de pólen de rosmaninho, pode usar a menção "Mel de Rosmaninho”.

© Copyright 2017 ptpt.pt
Developed by Impactwave