MEL DO ALENTEJO - DOP

Tipo

Mel

Região

Alentejo

Descrição

Mel produzido pela abelha Apis melífera (sp. Iberica), a partir do néctar das flores da flora característica da região do Alentejo. A cristalização é fina e compacta e tanto o cheiro e o sabor como a cor (amarelo transparente até ambarino) variam consoante a respectiva composição polínica. O mel do Alentejo DOP é classificado como: - Mel de rosmaninho: pólen predominante de Lavanda stoechas L. (> 13%) - de cor clara, indo do quase transparente até ao âmbar claro, de aroma e paladar finíssimos e leves; - Mel de soagem: pólen predominante de Echium spp. (> 40%), com grande tendência para cristalizar, devido à relação frutose/glucose. No estado líquido a cor varia de âmbar claro a âmbar. A cristalização é compacta, fina e esbranquiçada ou amarelada. O aroma e o paladar são suaves; - Mel de eucalipto: pólen predominante de Eucaliptus spp. (> 40%), de cor âmbar, de paladar pronunciado e forte, característico dos eucaliptais; - Mel de laranjeira: pólen predominante de Citrus spp. (> 15%), de cor clara, paladar delicado e aroma característico das fragrâncias dos laranjais; - Mel multifloral: mel proveniente de néctar produzido por espécies existentes nas pastagens naturais, zonas de pousio sem predominância de nenhuma espécie. Contudo, terá sempre uma das seguintes plantas (> 5%): Esteva, Sargaço, Rosmaninho, Soagem, Eucalipto, Cardo, Tomilho, Laranjeira e Alecrim. A cor varia entre o âmbar claro e o âmbar escuro, e o aroma e o paladar são ricos, perfumados e profundos.

Variantes

Mel de Rosmaninho; Mel de Soagem; Mel de Eucalipto; Mel de Laranjeira; Mel Multifloral.

Particularidades

Mel de cor clara, variável, desde o amarelo transparente até ao ambarino, cuja tonalidade é característica da região e decorrente da respectiva composição polínica, isto é, da flora que serve de pasto às abelhas. Apresenta cristalização fina e compacta.

História

As pequenas indústrias rurais de produção de mel são uma tradição secular fortemente enraizada nos usos e costumes dos povos que têm habitado a região Alentejo. As ordenações dos nossos primeiros reis são notáveis testemunhos dos privilégios dados sob a forma de foral aos "abelheiros", os quais, com o mel que produziam, pagavam os seus foros e faziam outras trocas comerciais. Eduardo Sequeira cita as vilas de Alandroal, Portel, Redondo e Vila Viçosa como as povoações onde tradicionalmente mais se cultiva ou explora a apicultura no distrito de Évora.

Saber fazer

Como práticas tradicionais locais do sector apícola da zona de produção cabe destacar o sistema de exploração utilizado preservando toda a qualidade e todas as propriedades deste produto. Não é permitida a alimentação artificial das abelhas. As colmeias utilizadas são de quadros móveis, com menos de 5 anos de uso. A colheita do mel é feita de favos completamente operculados e isentos de criação e é desfasada de modo a obter um máximo de polinização correspondente à espécie de mel nomeada. O desabelho é feito por jacto de ar ou pelo sistema tradicional de escova das abelhas. É proibido o uso de repelentes. A desoperculação dos quadros pode ser feita pelo sistema tradicional, com facas e água a ferver, sistemas eléctricos ou a vapor desde que estes não alterem os factores do mel. A extracção é feita exclusivamente por centrifugação. Para proceder à decantação e centrifugação de um mel cristalizado é permitido fundi-lo a uma temperatura que não ultrapasse 45 ºC.

Área geográfica de produção



Concelhos

ALANDROALALVITOARRAIOLOSBARRANCOSBEJABORBACUBAELVASESTREMOZEVORAFERREIRA DO ALENTEJOFRONTEIRAMONTEMOR-O-NOVOMORAMOURAMOURÃOPORTELREDONDOREGUENGOS DE MONSARAZSERPASOUSELVENDAS NOVASVIANA DO ALENTEJOVIDIGUEIRAVILA VIÇOSA

Forma de utilização / Conselhos de uso

Consumido tal qual ou na doçaria tradicional alentejana.

Apresentação Comercial

Apresenta-se sob a forma de centrifugado, podendo estar cristalizado. Deve-se apresentar acondicionado em embalagens de vidro transparente e incolor, de capacidade até 1.000 gramas. O mel para consumo directo da indústria hoteleira, restauração e empresas de catering, poderá ser acondicionado em embalagens individuais fabricadas com matérias autorizadas para produtos alimentares e hermeticamente fechadas; - ROTULAGEM: sem prejuízo do disposto na legislação aplicável sobre rotulagem, dela devem constar, ainda, as menções «Mel do Alentejo - Denominação de Origem Protegida», o respectivo logótipo comunitário, e a marca de certificação aposta pelo respectivo organismo privado de controlo e certificação (OPC).

Condições de conservação / Durabilidade

Conservar à temperatura ambiente.

Disponibilidade ao longo do ano

Jan
Fev
Mar
Abr
Mai
Jun
Jul
Ago
Set
Out
Nov
Dez

Bibliografia/Fonte

- “Produtos Tradicionais Portugueses”, Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural, Direcção-Geral de Desenvolvimento Rural, Lisboa 2001; Coordenadora Geral – Ana Soeiro; - Documento Único "mel do Alentejo DOP"

MEL DOS AÇORES - DOP

Mel de néctar centrifugado obtido principalmente a partir dos néctares de incenso (mel de Incenso) e multiflora. - Mel de Incenso: mel de cor variável, indo de quase incolor a levemente amarelado, com odor delicado, perfumado, com sabor típico a incenso e com consistência fluida, resultante do néctar recolhido das flores da espécie Pittosporum Ondulattum, Hort, que é uma planta espontânea e existente em todas as ilhas dos Açores; - Mel Multifloral: mel de cor castanha escura, com sabor agradável e consistência fluida, obtido da mistura de néctares de várias espécies de plantas, deignadamente de fruteiras tradicionais (Pomoideas, Prunoideas, Castanheiro e Citrinos), fruteiras subtropicais (Bananeira, Abacateiro, Goiabeira, Araçaleiro, Physalis e Maracujaleiro) e outras espécies (Metrozidero, Camélia, Jarro, Conteira, Hortência, Azália, Eucalipto, Malvão, Alecrim, Erva azeda, Fava, etc.).

Produto

MEL DE BARROSO

Mel produzido pela abelha negra Apis mellifera mellifera (sp. Iberica) - considerada por alguns investigadores como sub raça da Apis mellifera iberica - na região montanhosa do Barroso, a partir da flora característica. Tem cor escura (> a 8 na escala de Pfund), cheiro e sabor reveladores da flora melífera regional, com forte predominância de ericáceas. Ao mel que possua um teor de pólen de ericáceas superior a 35 % poderá ser atribuída a designação de “Mel de Urze” ou “Mel de Queiró”.

MEL DA TERRA QUENTE - DOP

Mel produzido pela abelha Apis mellifera mellifera (sp. Iberica) de cor âmbar claro (< a 5 na escala de Pfung) e com elevado índice de cristalização. Produzido no Nordeste do país, com flora mediterrânica característica da região montanhosa continental, onde predomina o rosmaninho, a urze e a soagem (Lavanda stoechas, Lavandula pardarculata, Genista alba), etc. Teor de pólen de rosmaninho (Lavanda stoecha e Lavanda padarculata) > 15 %, em situação de predominância. Se tiver mais de 35 % de pólen de rosmaninho, pode usar a menção "Mel de Rosmaninho”.

© Copyright 2017 ptpt.pt
Developed by Impactwave